Ludoterapia tipos?
Diretiva: terapeuta se envolve ativamente, estruturando as atividades de uma criança pela provisão de materiais lúdicos selecionados e incentivando a criança a usá-los na encenação de situações “de faz de conta” e expressos de sentimentos;
Não diretiva: baseada no princípio de que uma criança tem a capacidade de revisar suas próprias atitudes e comportamentos e,
Recreacional: técnica usada na terapia de grupo para pré-escolares.

Anúncios
Padrão

Ludoterapia?
O uso de atividades e materiais de recreação (p. ex., argila,água,blocos,bonecas,fantoches,desenho e pintura de dedo) na Psicoterapia Infantil. As técnicas da ludoterapia se baseiam na teoria de que tais atividades espelham a vida emocional e as fantasias da criança, permitindo que ela “represente” seus sentimentos e problemas e teste novas abordagens e entenda os relacionamentos mais na ação do que com palavras. Essa forma de psicoterapia, que se focaliza no mundo interno e nos conflitos inconscientes da criança além da sua vida cotidiana e relacionamentos atuais, pode ser não diretiva, mas também pode alternativamente ser conduzida em um nível interpretativo mais diretivo ou mais analítico.(APA,2010).

Padrão

Ludoterapia?
O uso de atividades e materiais de recreação (p. ex., argila,água,blocos,bonecas,fantoches,desenho e pintura de dedo) na Psicoterapia Infantil. As técnicas da ludoterapia se baseiam na teoria de que tais atividades espelham a vida emocional e as fantasias da criança, permitindo que ela “represente” seus sentimentos e problemas e teste novas abordagens e entenda os relacionamentos mais na ação do que com palavras. Essa forma de psicoterapia, que se focaliza no mundo interno e nos conflitos inconscientes da criança além da sua vida cotidiana e relacionamentos atuais, pode ser não diretiva, mas também pode alternativamente ser conduzida em um nível interpretativo mais diretivo ou mais analítico.

Padrão

Atenção Plena (mindfulness)?

Total consciência dos próprios estados internos e do ambiente: o oposto de Distração.
O conceito tem sido aplicado a várias intervenções terapêuticas -por exemplo, terapia cognitivo-comportamental baseada na atenção plena, redução do estresse e Meditação Concentrativa – para ajudar as pessoas a evitar hábitos e respostas destrutivos ou automáticos pela observação de seus pensamentos, emoções e outra experiências do aqui e agora sem julgar ou reagir a eles. (APA, 2010).

Padrão

O que é autodestrutividade?
ações por um indivíduo que são prejudiciais e contra seus melhores interesses. O comportamento pode ser repetitivo e resistente a tratamento, às vezes levando a tentativa de suicidio, tão falado na última semana na mídia, em decorrência da série “13 Reasons Why”. O indivíduo pode não estar consciente da influência nociva das ações ou pode em algum nível desejar o dano resultante. (APA,2010).

Padrão

Você vive no piloto automático? Por Eduardo Shinyashiki

O cérebro humano tem aproximadamente 100 bilhões de neurônios, que se comunicam entre si igualmente em todos os seres humanos, porém, o modo como eles se organizam nas redes neurais varia de pessoa para pessoa. O que vai definir essa organização será a bagagem, educação e experiência individual de cada ser.

Como um GPS que não é atualizado e se torna obsoleto frente às ruas e estradas, assim acontece com as redes neurais. Com o passar do tempo, se não renovamos as nossas experiências, as redes neurais vão se tornando viciadas, assim como os caminhos que percorremos e as atitudes que temos, pois as mudanças de realidades, cenários e oportunidades são cada vez mais rápidas.

O nosso cérebro é estruturado para reter informações novas, elaborá-las e integrá-las. Quando não aprendemos nada de novo, não mudamos velhos hábitos, não enriquecemos o nosso cérebro com novas experiências e acabamos entrando no famoso “piloto automático”, nível em que nossas conexões neurais se tornam fixas, cheias de programas de comportamentos automáticos que não são mais úteis para o sistema de evolução.

A velocidade de responder às mudanças será o diferencial no sucesso pessoal e profissional do ser humano. Essa agilidade, flexibilidade e adaptação às mudanças e inovações são o que mais nos será pedido no futuro. Porém, ocasionalmente o programa original se torna nossa única opção, pois nos dá a sensação de que é mais fácil repetir o programa ao mudá-lo, e assim se segue sem questionar.

Quantas vezes no trabalho repetimos comportamentos tendo reações inadequadas, sentindo emoções que nos remetem a quando éramos crianças? Quantas vezes o nosso agir automatizado diminuiu a qualidade dos nossos resultados?

Por vezes nos sentimos presos, encarcerados por esses esquemas mentais e de comportamento, desejando sair deles. Outras vezes, nos acomodamos neles, não querendo sair do lugar conhecido e almejando que tudo permaneça como está.

Precisamos interromper estes circuitos neurais utilizados por muito tempo habitual e automaticamente, sair do usual e do repetitivo, pois o nosso cérebro, para permanecer jovem, precisa aprender sempre coisas novas, experimentar novas áreas, habilidades e competências. Além do que nosso cérebro não é estático nem rígido, ele é modificável e constantemente remodelado e reorganizado pelos nossos pensamentos e experiências.

É necessário utilizar nossa vontade consciente e nosso poder de escolha para provocarmos as mudanças. Dessa forma, a nossa mente permite ser aberta para encontrar novos caminhos, novas oportunidades, opções e experiências, e se torna mais livre para criar e conceber infinitas possibilidades e realidades.

Eduardo Shinyashiki – Palestrante, consultor organizacional, especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos, Eduardo também é escritor e autor de importantes livros como Transforme seus Sonhos em Vida, da Editora Gente, sua publicação mais recente.

Padrão